[ 🔎 ] [ home / tudo / irc ] [ b / mod / chem / crypto ] [ arquivo ] [ regras / FAQ / banlist ] [ 🎧 TeamSpeak ]

/b/ - Aleatório

Email
Subject
Comment
File
Embed
Password (For file deletion.)

  [Go to bottom]   [Catalog]   [Return]   [Archive]

File: 1551442789522.png (413.66 KB, 500x327, fio sério.png) Google iqdb

 No.1172

Não sei se é apropriado ou aceitável trazer este assunto neste recinto. Preferi não me expor aos tormentos da macacagem de chans mais movimentados. Há um interesse comum que acompanha muitos dos que resolvem conhecer o mundo dos imageboards, que é a busca pelo proibido e pelo oculto, no sentido superficial da palavra.

Muitos foram atraídos para os chans pelo CP, sem mais delongas. Há anos busquei, com sucesso, conteúdos deste tipo e confesso que seria mais confortável para o meu desenvolvimento pessoal nunca ter tido um computador com internet em casa. Sei que os fatores que levam um jovem a procurar este tipo de conteúdo são infinitos: infância cagada, transtornos mentais e sexuais, curiosidade, espírito de porco ou tudo isto num pacote de falha humana. Sempre me achei um cara transtornado, especialmente quando criança, e tinha desenvolvido um interesse sexual muito voraz já aos 8 anos. Talvez as imagens de sexualidade tenham sido "congeladas" nesta fase da infância por um longo tempo, como se fossem artefatos fantásticos de uma "era de ouro". Este interesse por crianças perdurou até quase o final da adolescência para o começo da fase adulta, quando me desliguei disto por forças maiores. E por forças maiores quero dizer um esforço de decência humana. Eu mesmo parei para observar o quanto os vídeos e imagens que tinha eram perturbadores e insalubres, e nesta fase de correção interior experimentei o gosto amargo do arrependimento.

Comecei a me questionar sobre os adultos envolvidos naquilo, nos tipos de ambiente onde ocorriam os vídeos e imagens, nos imensuráveis danos psíquicos provocados naquelas crianças e fiquei seriamente consternado. Na primeira metade dos vinte passei por uma fase de expiação espiritual intensa, em que me dediquei a uma vida quase ascética e de total dedicação à orações e meditações transcendentais, o que me ajudou bastante a purificar certos aspectos da minha vida. É claro que nenhuma purificação é suficiente. Hoje sou um cidadão de hábitos relativamente comuns, raramente vejo pornografia, tenho pitanga, trabalho e pretendo me tornar um terapeuta especializado em tratar de pedoleiros falhos ou de pessoas que têm qualquer tipo de julgamento tenebroso sobre si mesmo. Sei que é hard como a foda tentar trabalhar com isto, a sociedade e parte da comunidade científica da psicologia acredita que o perverso sexual é nascido dessa forma e que qualquer tipo de terapia é inútil. Inclusive os próprios "pacientes" acreditam nisto. Que psicopatas, pedófilos, sociopatas, necrófilos, zoófilos não podem ser "curados" eu sei.

Não existe cura absoluta nem pra mais comum das neuroses. Mas teve haver alguma forma de atenuar o sofrimento e a inadequação dessas pessoas, se elas quiserem e por algum milagre tiverem consciência para se observarem como humanos.

 No.1173

File: 1551442836046.jpg (81.59 KB, 300x469, guardian.jpg) Google iqdb

Op continuando.

Lembro-me que na freenet havia um tipo de fórum composto por pedoleiros em fase de redenção, por assim dizer, mas ainda não tenho bolas suficientes para me adentrar neste meio novamente. A questão é: sei que lá no fundo da minha mente há algo que me impulsiona a sentir atração por este tipo de coisa, por mais que meu ego tenha hostilidade em relação a isto. Esta noite tive um sonho muito simbólico, em que tentava acertar uma serpente com uma arma de fogo, mas logo atrás da serpente havia uma menina nova vestida como uma puta, com um cara de meia idade dando um tipo de banho erótico nela. Não tive coragem de atirar. Não sei que tipo de mensagem esta merda estava querendo me passar, mas fiquei decepcionado ao perceber que este lixo ainda estava presente na minha alma, de certa maneira. Às vezes alguns pensamentos invasivos penetram em minha mente e não consigo aceitá-las de qualquer forma. Por vezes tenho pesadelos com crianças e fetos ensanguentados chorando, às vezes visões e vozes quando acordado. É uma merda.

Não sei se isto foi criado por estímulos que eu mesmo forcei ou se é algo inato, ou mais profundamente arraigado na psique. É claro que o mito da maçã proibida ainda persiste no ideário humano coletivo, e que a pedofilia era e é comum na humanidade apesar de todos os tabus (que julgo necessários) construídos em torno deste tipo de afetividade. E também é evidente que existe um quê de doença e atraso mental nisto tudo. Não quero julgar nenhum pedoleiro como um tipo de escória humana, especialmente os que são perseguidos por esse desejo insano e não conseguem evitar de buscar CP de vez em quando. Acontece que a sexualidade humana é algo complexo pra caralho, os interesses vão se transformando e se mutando em formas cada vez mais grotescas de perversidade. Esses gordos filhos da puta quando cansam de fapar pra CP, ou ficam com medo de serem descobertos, começam a procurar outros tipos esdrúxulos e pitorescos de putaria. Experiência própria. Qual a porra da fonte dessa compulsividade masturbatória insana? É um sentimento de falta, talvez?
Cada um tem a sua vida e a sua história, e acho que passou da hora de termos uma discussão séria a respeito disso, porque é algo que (imagino que) aflinge e faz parte da vida de muitos channers.

 No.1176

File: 1551447125645.jpg (32.51 KB, 640x640, 06.jpg) Google iqdb

Li escutando Gnossienne do Satie.

Sobre CP, acredito que não seja uma simples "doença" e sim que este seja o Estado natural do homem. A sexualidade selvagem é inerente, não é a toa que meninas antes mesmo dos 10 anos menstruam. O homem naturalmente sente atração por seus semelhantes. Tanto você, quanto quaisquer outros indivíduos são apenas vitimas de antigos costumes tribais. São resquícios da evolução e do estado natural humano se manifestando na modernidade.

Apesar de tudo, não quer dizer que isto seja aceitável, afinal há décadas deixamos de cagar em valas e morrer antes dos 40. Construímos uma sociedade minimamente funcional e acentuadamente livre, devemos manter a civilidade pra preserva-la (e no futuro possivelmente melhora-la). Este tipo de degeneração e falha deve continuar inaceitável.

No mais, seus sonhos, vozes, etc, são frutos além de sua própria cabeça, os costumes modernos e a moral contemporânea são principais fatores que o faz se "auto-punir". Não se sinta mal por algo que esta além do seu controle, se viver pensando sobre isso morrerá amargurado, com a mente fodida e muito provavelmente não terá muito sucesso nesta vida. Somente a aceitação pode te curar, OP!

 No.1178

File: 1551536221539.gif (1.08 MB, 320x240, rambo.gif) Google iqdb

>>1176
Agradeço pela resposta e pela sinceridade, anão.

>Tanto você, quanto quaisquer outros indivíduos são apenas vitimas de antigos costumes tribais


Não concordo com a questão de ser vítima, faz parte do desenvolvimento psíquico e biológico natural do humano lidar com essas reminiscências "arqueológicas" que você citou logo adiante. Acredito que algumas pessoas tenham uma vulnerabilidade maior pra esse tipo de influência ancestral, cada um com sua individualidade e contexto. Quantos por aí não convivem com um complexo edipiano ou narcísico pungente e mal resolvido, não é mesmo? Mas é isso aí, nada de errado com o sofrimento humano.
Mas é verdade, não se trata de uma simples adequação a um tabu, é uma questão necessária para a evolução do homem, uma vicissitude a ser atravessada.

>No mais, seus sonhos, vozes, etc, são frutos além de sua própria cabeça, os costumes modernos e a moral contemporânea são principais fatores que o faz se "auto-punir"


Entendo, é meramente psicológico. Bem, o psicológico é uma infinidade e determina boa parte das nossas realizações objetivas, além das nossas frustrações (voltando ao looping subjetivo destrutivo, e assim por diante), é claro. Às vezes é complicado ficar nadando em simbologias obscuras da consciência, mas é o material que tenho. Por mais que seja doloroso pensar nisto, acredito que a investigação seja importante. Não acredito que a tormenta seja apenas meio de punição, creio que há um conteúdo valioso de aprendizagem que ajudará em uma futura aceitação (e transmutação) do problema.

Mas meh, provavelmente ninguém se importa, estou ok com isto. Acho que esperei um pouco demais em tentar garimpar experiências semelhantes dos anões, sei que é um assunto pessoal e fodido pra caralho. Este recinto não é nenhum /escoria/ mesmo.

Escutarei o som, grande abraço.

 No.1179

>>1176

>No mais, seus sonhos, vozes, etc, são frutos além de sua própria cabeça, os costumes modernos e a moral contemporânea são principais fatores que o faz se "auto-punir"


>Entendo, é meramente psicológico.


Bem incoerente, mas é isso aí mesmo.

 No.1190

File: 1551585894043.jpg (58 KB, 447x448, 1498447181614.jpg) Google iqdb

Nos chans eu aprendi muita coisa. Absorvi muita coisa ruim, mas muita coisa boa também. Eu acredito que você ser filho de mãe solteira te deixa propício e inclinado a certas sexualidades. O chan só irá te ofertar o que você no fundo buscava, mas não conhecia bem. Junta a fome com a vontade de comer. Acredito que uma vez que o anônimo tenha contato com aquilo que atice a sua excitação (seja pedolaria ou traparia ou outra coisa qualquer), ele nunca mais larga aquilo. Aquilo irá te acompanhar talvez até o fim da sua vida. Mesmo que você se afaste, irá estar ali. Pronto para sair ao mais leve deslize de sua parte.

Anão, não sei se você chegou a frequentar o 27 antes dessa queda mais recente. Eu postei uma história bastante longa, um murotexto lá falando de como um psicólogo mexicano que eu encontrei por acaso em um shopping da minha cidade me explicou sobre alguns dos desvios que as pessoas têm. Pedolaria, homossexualismo, todas essas coisas que a nossa sociedade caracteriza como "desvios, distúrbios, doenças" tem origem, na maioria dos casos, na sua criação, na sua família (ou ausência dela). Hoje eu sou pedoamigo e federal, mas tento deixar isso guardado só para mim e seguir com a vida. Muitas vezes é difícil, mas é o que deve ser feito. Posso conversar mais sobre caso queira, é só dar seu feedback e te explico o que aprendi nesses anos de vivência.

 No.1221

>>1190
não sou o OP, mas se puder fala ai, é bom ver as experiências de outras pessoas.

 No.1233

File: 1551974209600.jpg (287.86 KB, 1841x1355, front242.jpg) Google iqdb

OP aqui.

>>1190
>eu acredito que você ser filho de mãe solteira te deixa propício e inclinado a certas sexualidades. O chan só irá te ofertar o que você no fundo buscava, mas não conhecia bem. Junta a fome com a vontade de comer.

V-você sou eu, filho da puta? Não havia racionalizado essa situação antes. Fui criado por mãe solteira também, e era uma merda. Agora que paro pra pensar, as duas coisas andam realmente juntas e dentro daquele ambiente eu só me degenerei cada vez mais. Bizarro. Lembranças demais.

>Eu postei uma história bastante longa, um murotexto lá falando de como um psicólogo mexicano que eu encontrei por acaso em um shopping da minha cidade me explicou sobre alguns dos desvios que as pessoas têm.


Tem algum print? Se não, pode resumir o verdetexto? Peço encarecidamente.

>Hoje eu sou pedoamigo e federal, mas tento deixar isso guardado só para mim e seguir com a vida.


Entendo. Há uma linha tênue entre o "sintoma" e a "sanidade", e 99,9% das vezes nós não estamos no controle do que ocorre conosco. Só resta a distração e um pouco de esquecimento momentâneo, pois se nos escandalizarmos e nos julgarmos, o desespero se arma. Bem, estou apostando na transcendência cósmica e no esoterismo. Se tudo isso for tourobosta, estarei fornicado, mas é preciso tentar.
Por favor, conte-nos mais sobre sua perspectiva, anão.

 No.1243

File: 1552524372292.jpg (98.66 KB, 898x449, 1538421725581.jpg) Google iqdb

Bom, vamos lá. Comecei falando coisas aleatórias e agora tentarei ordenar meus pensamentos e expor o que eu entendo de algumas coisas. Leiam tudo. É de grande utilidade.

Sobre mães solteiras. Não vou dissertar sobre como e por que elas surgem e etc, mas há algumas coisas que precisam ficar esclarecidas. Primeiro, se você tem um pouco de experiência de vida, se você é um observador razoável, se você é uma pessoa que reflete bastante e já tem mais de 16 anos, você consegue perceber com relativa facilidade que não existem vantagens em ser filho de mãe solteira. Preste bem atenção. Não existem. Se você é filho de mãe solteira, isso que eu falei, e o que eu falarei mais adiante, serão coisas mais claras para você, porém, você não precisa necessariamente ser um para entender o que eu falarei. O que eu aprendi nesses últimos meses de vida é que ao nascer filho de mãe solteira, você já nasce perdendo. Sabem o porquê de uma figura masculina na sua família ser presente é tão importante? Eu digo presente na sua vida. Não necessariamente um pai, mas é o caso mais ideal digamos. Uma referência masculina presente para um homem que nasce é algo extremamente importante. Mulheres solteiras tendem a criar os seus filhos, geralmente, da seguinte forma:

1-Costumam resolver demais os problemas do filho, não deixando estes aprenderem sozinhos a se virar. Não que elas façam isso querendo o seu mal, pelo contrário, mas lá na frente elas percebem que erram na criação dos filhos em algum aspecto, geralmente percebem que é este que estou citando. Algumas podem comentar isso com você, filho de mãe solteira, outras talvez nunca falem nada. Por que maturidade e independência são tão importantes para um homem? Deixo para vocês essa reflexão. E são características importantes, especialmente para um homem. Muitas acabam até criando os filhos de uma forma super protetora, e isso, sem dúvidas, é ainda pior.

2-Nunca irão te ensinar e explicar, como um homem redpillado faria, sobre relacionamentos com mulheres da maneira certa. Nunca falarão a verdade, a redpill, até porque muitas desconhecem. Isso geralmente, mesmo com um pai presente, é o chan que irá te ofertar. Por que mulheres dizem que querem um homem "sensível, romântico, atencioso, carinhoso, gentil e blábláblá"? Características femininas em um homem fazem o quê com ele em relação às mulheres? Afastam as mulheres dele. Por que as mulheres não mostram a realidade? Que o mercado sexual é competitivo? Que descolados e alphas conseguem as mulheres que querem com incrível facilidade? E por que disso? E a redpill da aparência? E a redpill do dinheiro? Do ego? Do comportamento feminino? Etc, etc. São coisas que, em essência, é o chan que te oferta. É ele que tira as escamas dos seus olhos para muitas dessas bobagens. Não irei me alongar nesse tópico. Acredito que essa seja alguma das poucas vantagens em acessar chans. Redpills. Good ones. Em suma, uma mãe solteira não irá te preparar para ser um chad.

Há outras coisas para serem ditas, mas acredito que essas são duas principais. Se você quiser se alongar e entender mais sobre o assunto, pode lurkar no youtube digitando "single mothers". De cara, já aparecem alguns vídeos-redpill que esclarecerão algumas coisas. O principal problema, no entanto, é o fato de muitos filhos de mãe solteira não se darem conta do problema que isso é e o que isso acarreta ao longo da sua vida. E é nisso que eu vou me focar agora. As consequências de ser filho de mãe solteira.

Veja se faz sentido: tendências ao homossexualismo, transsexualismo e pedofilia (talvez). O que você diria se eu relacionasse isso com ser filho de mãe solteira? Sabe qual a verdade? Uma figura paterna ausente na vida de um filho homem auxiliará esse individuo a tornar-se mais afeminado. Isso varia de pessoa pra pessoa e de criação para criação e de grau para grau. Não estou dizendo que ser filho de mãe solteira necessariamente fará com que você vire gay, mas uma coisa eu entendi nesse meio tempo: ter uma figura masculina ausente em sua criação fará com que você busque o caminho da boiolagem, mesmo que seja algo bastante sutil.

Pense, você já teve pensamentos libidinosos envolvendo o outro sexo? Você já fapou ou sentiu vontade de fapar para travestis ou conteúdo sissy/gay? Você já pensou em fapar estimulando a próstata? Você já se imaginou vestido de mulher ou já realizou tal ato? Com que frequência você se masturba? Com que frequência você se masturba para conteúdo gay (traparias envolvido)? Você já se imaginou, ao assistir uma cena de vídeo pornô, sendo a mulher? Já assistiu a vídeos de sissy ou crossdressing? Já sentiu atração por outros homens? Já se imaginou sendo dominado por algum? Essas são algumas das perguntas importantes que você deve se fazer, responder mentalmente e avaliar e refletir sobre sua situação. A ideia aqui é mostrar que filhos de mãe solteira, tem uma tendência forte a descambar para o homossexualismo ou a submissão, mesmo que em graus mínimos. E isso tudo que estou dizendo é com respaldo de um psicólogo mexicano que virou meu amigo por um tempo depois se mandou do país. A história sobre esse cara é muito longa e eu não irei relatar aqui. Mas o fato é que sendo filho de mãe solteira, você joga no modo hard (ou medium pelo menos). De certa forma, você precisa buscar sozinho no mundo o pai que você não teve. E é isso que eu fiz durante essa vida até o presente momento.

 No.1244

Onde os chans entram na história? Vocês estão cansados de enxergar como o 55 moldou os seus usuários com o passar do tempo a virarem amantes das travecagens. Fios a rodo de traps surgiram com o tempo, e muitos anões acabaram descobrindo que gostavam daquilo e foram se aprofundando no tema. O problema é que dependendo da forma como você se aprofunda, você começa a buscar conteúdo cada vez mais gay, começa a se imaginar sendo o passivo da história, sente vontade de fapar com algum objeto no cu, sente vontade de dar e ser submisso e outras aberrações mais. Imagine um filho de mãe solteira encontrando tudo isso. Com o passar do tempo, acaba que junta a fome com a vontade de comer (ou de ser comido). Você, como filho de mãe solteira, precisa lutar contra tudo isso. E claro, não é nem um pouco fácil, tanto que não está sendo para mim. Eu ainda sou federal e pedoamigo. Mas eu notei que quanto menos você se expõe ao conteúdo, menos vontade você sente de ir atrás dele, ou menos propício você se torna a consumi-lo. Digo isso porque o 27 caiu e era lá onde eu mais alimentava meu instinto pedoamigo. Como o chan caiu e ainda não voltou, esse meu lado pedoamigo se enfraqueceu bastante. Agora a última má notícia: mesmo você lutando contra a pornografia, mesmo você parando de acessar os sites que você acessa, aquilo ainda estará lá, adormecido, pronto para acordar a qualquer deslize da sua parte. Cabe você a conviver com aquilo. Uma vez federal ou pedoleiro, por exemplo, é difícil você sair dessa situação.

Dificuldade em socializar com mulheres, resolver conflitos, não se apegar, controlar suas emoções, controlar sua ansiedade, transar, etc, tudo isso pode ter vindo indiretamente e diretamente da sua criação. Reflita mais sobre tudo o que eu disse e você entenderá que eu tenho razão e que ainda há mais para descobrir. Estatisticamente falando, é isso. Filhos de mãe solteira tendem a sofrer com todos esses problemas. Você só precisa lutar bravamente contra eles.

A última pill é: como você percebeu, muito do que você considera como seus defeitos e erros ao longo da sua vida vieram da sua criação (ou ausência dela), mas que há alguma possibilidade de mudança. Porém, só você poderá se ajudar nessa jornada. Tente não usar esses fatos que estou expondo como muleta, mas saiba que eles existem e possuem culpa no cartório da sua vida.

Esse é o fim, o resumo da primeira parte do que eu tenho a dizer.

 No.1245

File: 1552525458660.png (195.02 KB, 1278x469, Entendendo o pedoamigo.png) Google iqdb

Onde a pedolaria pode se encaixar? Eu tenho muito mais dúvidas que respostas, mas deixo aqui minha história de como virei um.

Descobri a pedolaria pelos chans realmente. Foi dessa forma. Mas com o passar do tempo, eu pude ver que eu tinha sim um lado sexual forte, um instinto dionisíaco, um tesão de querer transar com pré puberes, mas que um certo lado mais emotivo falava mais alto. Falo especificamente da época em que o 27 estava de pé e conversávamos muito sobre. A nossa atração por lolis não é meramente carnal, sexual. Nós sentimos uma vontade imensa de abraçar, dar carinho, cuidar e brincar com lolis. Especialmente as que possuem aquela pureza de criança ainda. As que são ingênuas. As que não possuem essa pureza, meiguice, ingenuidade, etc, aí nós vemos como mulheres normais, como objetos para satisfazer o nosso prazer, e isso é triste. Deixarei algumas imagens que ilustram bem o que sentimos. Tiradas obviamente do 27.

Esse psicólogo me disse que (tentarei lembrar das palavras, já faz algum bom tempo que não o vejo) eu me via naquelas crianças. Conversando com ele, relatei que nunca sofri abuso sexual ou coisa do tipo, por quem quer que fosse. Minha mãe nunca escolheu bons pretendentes e se meteu em um casamento que durou uns 6 anos e terminou em divórcio. Enfim, a redpill que ele soltou para mim foi uma coisa que me deixa levemente espantado até hoje quando penso sobre: eu gostaria de ser o pai que não tive. Por isso essa atração por lolis. Muitos pedoamigos sentem esse amor não concretizado tão forte que dizem que gostariam de ter uma filha, mesmo após as redpills dos anões sobre relacionamentos, casamentos, filhas e etc. Eu gostaria de ser para alguma criança, a figura que não tive presente. Minha mãe sempre me deu amor, carinho e cuidou bem de mim. Disso não tenho do que reclamar. Não temos muito dinheiro, mas sempre nos viramos bem e nunca me faltou o básico. De fato, me dou muito bem com crianças, é difícil alguma não gostar de mim e eu gosta de estar rodeado por crianças. Sofri bastante no passado com uma coisa que se fui entender com o rivotril de um anão do 27 (imagem em preto e cinza) sobre a vontade que me corroía diariamente de não ter uma loli para abraçar e amar. Pedoamigos sabem bem o que é isso. É uma dor agoniante e triste. Enfim, a vida é isso. Sempre disposta a desviar seus sonhos da sua realidade. Devo ter mais coisas para falar eu acho. Com o tempo eu posto.

E, sim, eu já fapei para café várias vezes. Não sei exatamente se me arrependo. Algumas vezes sim. Mas meu foco, com relação a lolis, nunca foi sexual, mas não nego que ele exista. Segue alguns prints valiosos que salvei. Espero que ajude a entender. É bom ver que existem pessoas dispostas para conversar sobre. Pessoas que não te julgam, que não vêm com 7 pedras na mão para de chamar de monstro. Nunca me vi assim, nunca me imaginei fazendo qualquer mal para alguma loli. Enfim.

 No.1246

File: 1552525515100.png (226.26 KB, 1277x568, Anão de verdade.png) Google iqdb

Sinto saudades dos relatos do priminhafag. Como será que ele está hoje?

 No.1247

File: 1552525551063.png (593.52 KB, 1798x1300, 1505625907781-0.png) Google iqdb


 No.1248

File: 1552525672876.png (59.63 KB, 1275x254, Bíblia e pedofilia.png) Google iqdb


 No.1249

File: 1552525719960.png (119.72 KB, 1268x317, Ser heterossexual.png) Google iqdb


 No.1250

File: 1552525807610.jpg (477.71 KB, 1920x1080, 1526410814472-0.jpg) Google iqdb

Voltando ao tema 1. Alguns screenshots que tenho salvos sobre mulheres.

 No.1251

File: 1552525832475.png (182.38 KB, 1270x510, Feminismo em uma casca de ….png) Google iqdb


 No.1252

File: 1552525877949.png (151.83 KB, 1272x741, Mulheres....png) Google iqdb


 No.1253

File: 1552525956374.png (102.13 KB, 1757x360, Rivotril - lolis.png) Google iqdb

O baseado rivtroil em preto e cinza que eu falei e esqueci de postar. Esse foi um que acertou-me em cheio no dia e me fez abrir os olhos. Esse print me é muito valioso. Foi uma resposta para mim inclusive.

 No.1254

>>1253
>rivotril

 No.1255

File: 1552526037812.png (364.57 KB, 1213x2862, 1508452121661.png) Google iqdb

Esse é um bem grande, mas que vale muito a pena ser lido.

 No.1256

File: 1552526105216.png (192.01 KB, 1315x424, Casamentos.png) Google iqdb


 No.1257

>>1173
Você foge, anão, mas para onde? Isso nos acompanhará a vida toda. É isso que gostamos/amamos. Não somos monstros por causa disso. Por que deixas suas mente lhe dizer isso? Que és um monstro? Por acaso um monstro cuida e dá carinho? Por acaso há um monstro de amar de verdade?

A pornografia é um mal. Isso sim. A pornografia objetifica as pessoas. A pornografia externaliza um ódio ressentido que temos e que surge às vezes. A pornografia de algema nela, te hipnotiza. Ela que te consome sem você perceber. É como o álcool esperando pelo fósforo. Em um segundo, tudo está a arder. No outro, já não há mais nada. Chama alguma.

 No.1258

>>1233
>Agora que paro pra pensar, as duas coisas andam realmente juntas
Mais do que você pensa. Espero que tenha lido tudo que postei abaixo.

 No.1262

File: 1552584871333.jpg (31.48 KB, 500x375, consider.jpg) Google iqdb

OP aqui, parte um.

>>1243

Tive várias maneiras de compensar a ausência paterna, anão. A primeira através da ficção e da inspiração artística, a segunda através de certos parentes, a terceira em diante através do que estamos discutindo aqui, e mais recentemente venho conseguindo alcançar este tipo de compensação através do desenvolvimento da minha própria masculinidade.

Realmente, anão, não pretendo teimar contra o que você expôs, mas não penso mais da mesma forma que você. E também não é mais da minha monta discutir sobre a escrotidão feminina, coisa que já é socialmente bem evidente, ou sobre os meios pelos quais a pedolaria se manifesta afetivamente. Não pretendo refutar nada, mas tenho uma lente um pouco diferente que a sua nestes pontos. Talvez complemente e enriqueça o que estamos fazendo.
No meu caso, ao acessar conteúdos e fapar para tais imagens, mantinha conscientemente a noção de que estava fazendo algo prejudicial e de certa forma, abusiva. De certa forma, sentia que estava afetando minha natureza essencial (e sua intrínseca harmonia) em detrimento de minha racionalidade. É um discurso que retoma aos primórdios do dilema filosófico humano. No que diz respeito à dinâmica do instinto, razão e emoção, o ser humano se desenvolveu muito pouco desde seu estado primitivo. Estamos numa fase transicional, em que estes três elementos ainda se interagem de maneira mais ou menos indiferenciada, num processo natural (e lento) de evolução. Tudo isso é muito novo para nós, e estamos passando por vicissitudes que nunca foram encaradas pela humanidade. Poucos são os que encontram energia suficiente para operarem estas transformações em seu próprio íntimo, muito devido a essa moderna onda de fatores sombrios que estão implodindo a nossa civilização (sedentarismo, masturbação compulsiva, pornografia, tensão ideológica, dependência tecnológica, desenvolvimento social e afetivo embotado, depressão, ansiedade, etc.).

Nada que já não tenha se manifestado antes na história, mas por opinião e observação própria, fico bastante convencido de que tudo o que está acontecendo é bem inédito. Por quê? Nunca encaramos tanto a ausência da figura paterna, é verdade, seja nos nossos lares ou nos meios coletivos. Nós, homens, nunca nos sentimos tão alienados em relação à figura feminina, parte pela espécie de atitude coletiva a que estamos sujeitos (forçosamente da porção negativa e destrutiva da atitude feminina), parte pela concorrência gerada pelas paixões ególatras e pela carência emocional extrema dos próprios homens (os mesmos criados sem uma força paterna). O vício/vicissitude é uma casa sem janelas ou portas. Não há transferência no mesmo ciclo. Ou seja, não se pode basear atitudes ou conceitos a partir de um ponto fraco na criação, ou na constituição psíquica de qualquer indivíduo. Falo disto como uma atitude interior, subjetiva, não como teoria. Tudo o que partir de um ponto afetivo, em um homem ferido em sua essência interior feminina (anima), deve ser passado por uma intensa análise racional.

 No.1263

File: 1552584912431.jpg (195.68 KB, 1050x519, jung.jpg) Google iqdb

Op aqui, parte dois.

Para homens fragilizados, como nós, não se libera instinto ou emoção sem uma postura rigorosamente racional. É o nosso elo mais mal trabalhado. Ao menos de minha parte posso afirmar que é um método até bem eficaz. Por isto os únicos fantasmas que encaro são os que habitam em minha memória e nos reflexos do passado, eles não se manifestam mais em interesses reais, impulsos ou vontades apaixonadas. Pedolarias, travecagens, e outros conteúdos que rejeitei conscientemente já não passam de uma vitrola quebrada que por vezes faz um barulho ou outro. Algumas vezes sinto um certo tom sobrenatural nessas coisas, como se fosse alguma coisa me atraindo pra minha própria derrocada mental. O tesão já foi gasto, as fantasias infantis também se revelaram prejudiciais, e então me dediquei a tomar rédea de meus pensamentos e ideias, pois estas estavam me levando para um caminho que eu mesmo rejeitei. Tentei partir para uma visão mais leve e positiva deste aspecto falho da minha personalidade. Não me dou ao trabalho de atribuir estas falhas ao meio externo, à visão social da minha própria falha. Isto não deveria determinar o que sinto ou o que vejo sobre mim. Muitos passaram por mais que eu e resistiram com mais austeridade aos erros.

Quer dizer, por que diabos eu daria vazão a algo que vai virar falha novamente? Por que qualquer pessoa faria isso consigo mesma? Qual é o núcleo íntimo da autodestruição? Essas falácias e justificativas mitológicas sobre o amor e o romance perdido do universo masculino não me dizem nada além de que nós não conseguimos nos adaptar saudavelmente aos desafios do nosso meio. As eternas justificativas do inato imutável. Estamos falhando como espécie em um mundo dito civilizado, mas insuportavelmente desgastante. O homem parece muito mais angustiado hoje, na era virtual, que na época das duas grandes guerras. Estávamos sofrendo choques de violência muito grandes. Hoje estamos sofrendo com carências e projeções que nós criamos, estamos vivendo o eco psíquico do desespero, a rebarba do problema humano. E não estamos tendo caixa pra aguentar a pancada. Havia de chegar este tempo de grandes dores internas, mas a maioria simplesmente ainda não realizou que para ultrapassarmos estes limites, devemos ter uma postura de aceitação (com nossos elementos individuais, não com a degeneração do mundo, que não nos deve habitar o íntimo de forma alguma).

Às vezes gostaria simplesmente que alguém, ou alguma coisa aparecesse para cada um de nós, dizendo: "Tudo o que você vê à sua volta hoje é ruína, é descartável. O que existe de ditoso e sublime nos meios de informação são sua arma, os eventos, os boatos, as convicções e as modas alheias nada mais são que turbas ao vento, psicossomatismo barato, mera desorientação." Honestamente, acho que estamos vivendo na latrina, e nesta latrina encontramos todos os meios possíveis de agravar nossos problemas, mas está nas nossas mãos construir uma fundação mais firme e verdadeira. Simplesmente por força da escolha. Em nós mesmos. O mundo já não nos serve e nos rejeita.

 No.1264

>>1263
Você já está em um nível mais avançado de esclarecimento. Mais forte que muitos de nós. Tudo que está a nossa volta está fadado a destruição. Ao pó. Não há uma permanência nas coisas e nas pessoas. Tudo isso aqui é efêmero. Uma ilusão bem arquitetada para castrar nosso espírito. A era da informação e da derrota. Corremos sem rumo, e quando existe um, ele é em direção a algum abismo. Não sei o que esperar desse mundo. Não tenho muita ideia de como fornecer a minha mente as ferramentas necessárias para seguir em frente sem colapsar. Sem ser perseguido por uma ansiedade sem explicação. Como se eu estivesse esperando algo acontecer e não acontece. Às vezes, eu só acho que estou fazendo hora extra na terra.

 No.1265

Anões, é o seguinte.
Toda essa história de prazer, buscar sentido, ilusão e etc. De falar do externo, e buscar justificativas do lado de fora. Tudo isso se resume em uma coisa anões.
O prazer esta do lado da dor. Você busca prazer para eliminar a dor.
O que esta doendo dentro de você anão? Do que você tem medo anão? O que te corroi ai dentro?
Tudo nasce na fornicação mente. Se você consome veneno, você exala veneno.

 No.1384

File: 1553105676345.jpg (14.53 KB, 333x499, doeet.jpg) Google iqdb

>>1264
>você já está em um nível mais avançado de esclarecimento

Trata-se de um estado de espírito ainda em desenvolvimento, anão. Um estado de coisas que só se pode manter através de certos artifícios, mas que ainda não atingiu sua plena naturalidade. Não existe um ser humano em um nível mais avançado, existe um ser humano disciplinado, e com certos hábitos adequados que se concretizaram. Caso minha disciplina fraqueje e eu perca o tento, estarei no mesmo nível que estava na minha adolescência. O "eu criança" ainda existe em todos, mas o interessante é que ele exista em paz, não atormentado por dor e vergonha. E é claro, nossos hábitos mais concretos são os viciosos e destrutivos, pois estamos imersos em um mundo cagado. Estamos acostumados a odiar tudo isto. Nenhum gêniozinho youtuber parece se lembrar de que só se concretiza uma disciplina com gosto e volição. Acham que devem socar tudo na cabeça e tirar inspiração do cu todo dia cedo. Por isto tantos desses não vão passar dos 30 sem se fuderem na cocaína ou algo do tipo.

>Tudo isso aqui é efêmero. Uma ilusão bem arquitetada para castrar nosso espírito. A era da informação e da derrota. Corremos sem rumo, e quando existe um, ele é em direção a algum abismo. Não sei o que esperar desse mundo.


Assimilar tanta bosta ocorrendo ao nosso redor acaba por nos tirar do nosso centro. Não sou do tipo que pensa que "a tranquilidade tira você da trilha do sucesso". Sucesso, neste contexto, é intrincado à noção de coletividade, ao reconhecimento. Não é necessário fazer grandes mudanças internas para se tornar uma pessoa de sucesso. Apenas vestir máscaras e sacrificar certos prazeres. Quando você menos percebe, se tornou uma máquina desalmada, orientada exclusivamente para a superficialidade. Qualquer perturbado mental pode se tornar uma pessoa de sucesso hoje em dia. As pessoas não entendem isto, o gosto que a sociedade vem desenvolvendo pelo grotesco tirou o bom senso e a racionalidade dos atributos básicos de uma pessoa de sucesso. Mas poucos conseguem atingir um certo grau de honestidade consigo mesmo, ou uma sensibilidade mais aprimorada, uma empatia mais clara.

Vejo muitos anões se matando pelo Santo Graal da vida exterior, querendo ser chads, manjadores das putarias, etc. Mal entendem que o veneno que encontram dentro de si existe do lado de fora, e muito mais apurado. Caem na pescaria de "fortalecer o elo mais fraco". Almas elevadas perdendo tempo com descolagem, que desperdício. Pro coach descolado, o elo mais fraco de qualquer pessoa é a falta de manejo social, a timidez, a falta de perseverança, etc. Todos os atributos possíveis de um channer. O problema nisso é o seguinte. O raquítico não pode querer ter um corpo comum, o mundo grita na cabeça dele que a resolução de seu problema é extremo! Ele tem que ficar gigante, monstrão, "acima da média". Não basta o sujeito inconsequente com dinheiro começar a poupar 15% do seu salário, ele tem que mudar seu "mindset" e se tonar um fodendo trader de sucesso. Tem que ter OBJETIVO, e um só, senão não é foco, é fogo de palha. Não basta o falho aprender a falar em público e manter conversas comuns, ele tem que ser o caralhudo PUA chadmaster. Pro pedoleiro incel então, nada adianta, só uma bala na cabeça, como dizem por aí. Todo mundo quer um papel nessa enorme peça de teatro fedorenta. Acredito piamente que os únicos que estão regozijando nessa história são os espectadores, ou o público que nem se deu ao trabalho de ir na bilheteria.

Desejo de coração a todos os anões uma vida conforme cada individualidade, dentro da Grande Lei da escolha ("Do what thou wilt"). Dentro de uma consciência mais ampla, de um entendimento consigo mesmo, o qual já vislumbrei, mas que não chego nem perto de alcançar. Jesus Cristo, quão difícil é perceber que não vale a pena viver pra ninguém senão para si? Ajudar o outro para si. Fazer o que se deve fazer porque você quer, não pra ser percebido de tal maneira por tal pessoa. É difícil alcançar a libertação, mas sinceramente, acho que não há público mais apto para a libertação que nós. O primeiro passo é não darmos meia foda pro que acontece lá fora.

 No.1387

File: 1553128486066.jpeg (52.74 KB, 1200x1200, 13396.jpeg) Google iqdb

>>1384

O que vou escrever é um pouco raso. Na minha opinião, o que uma pessoa precisa(entre uma infinidade de coisas) é:



>descobrir sua verdadeira vontade

>olhar mais para dentro de si


1 - Descobrir o que te move, sua verdadeira "vocação". Quando isso acontecer, não se deve negá-la. Se fizer algo que não gosta, ficará deprimido. Muitas pessoas acabam caindo nesta armadilha por conta do julgamento alheio. Precisam mostrar que não fracassaram na vida.


2 - A felicidade deve emergir de dentro de você. Não pode depender apenas de fatores externos.
Esta parte é a mais difícil, mas vale a pena trilhar um caminho com menos sofrimento.

 No.1391

File: 1553165216829.jpg (23.11 KB, 338x500, eusou.jpg) Google iqdb

você não é o que imagina ser.

 No.1397

>>1387
>2 - A felicidade deve emergir de dentro de você. Não pode depender apenas de fatores externos.
Esta parte é a mais difícil, mas vale a pena trilhar um caminho com menos sofrimento.

Lendo isso percebi que minha felicidade é muito dependente de coisas externas, o que você recomenda para que eu encontre essa trilha?

 No.1400

>>1397
se desidentificar com o "eu sou aquilo/isso"e com tudo aquilo que você não é: seus pensamentos, emoçoes, sensaçoes, seu corpo e sua mente. mantenha o foco no "eu sou"

Recomendo algumas leituras do nisargadatta maharaj, jiddu krishnamurti e ramana maharshi

 No.1403

>>1400

Não sou o quotado. Sempre me perguntei se esta coisa de "renunciar a si mesmo", é real.
Será mesmo que estas praticas funcionam? Será que estes "gurus" estão falando a verdade?

 No.1404

>>1403
não se atente a figura do guru mas a mensagem. você é seu próprio guru (satguru). questione todo guru que cita a necessidade de um guru ou qualquer outra coisa vinda do mundo externo para a realização de sua felicidade e ser.

estes nomes que citei são de realizados dos quais eu acredito muito na mensagem, mas cabe a você a investigação



[Go to top] [Catalog] [Return][Post a Reply]
Delete Post [ ]
[ 🔎 ] [ home / tudo / irc ] [ b / mod / chem / crypto ] [ arquivo ] [ regras / FAQ / banlist ] [ 🎧 TeamSpeak ]